Monthly Archives: June 2010

Rickenbacker 4001 de 1971

Rickenbacker 4001

Era uma vez um Rickenbacker 4001 de 1971 com uma pestana de madeira mal amanhada e a escala a descolar. Ao contrário do que possamos pensar, nem todas as pestanas dos Rickenbacker eram produzidas a partir de bakelite.

Nos anos 70 era habitual encontrarmos alguns modelos com pestanas de um material de cor clara que muitos pensaram tratar-se de marfim. As averiguações que fiz, junto de alguns técnicos e luthiers da Rickenbacker, desvendaram que se tratava de osso animal. Este baixo tinha uma pestana de madeira pintada de branco, o que revela uma tentativa de substituir a original.

Em linha de concordância com o que tenho verificado com outros baixos desta marca, a escala apresenta uma tendência a descolar. Atribuo este padrão à acção do truss rod sobre a escala, ainda que possa estar errado.

Considerando que o baixo se encontrava em muito bom estado, não foi difícil devolver-lhe a dignidade.

Na secção Extra! há um wallpaper novo com este baixo.

De volta ao atelier…

Porque os telefonemas não pararam durante o Serralves em Festa, já tinha trabalhos à espera quando regressei ao atelier:

Um Musicman Stingray particularmente susceptível a ruídos e interferências eléctricas, foi alvo de blindagem para filtrar todos esses ruídos.

Por outro lado, temos aqui uma Hohner inspirada na Les Paul com a língua da escala totalmente descolada. Não sabendo exactamente porquê, esta foto faz-me recordar o trabalho de MC Escher.

SEF2010 stage report

Guitarras para o Serralves em Festa 2010

Uma semana depois do terminus do Serralves em Festa, deixo algumas fotos do trabalho realizado pelo atelier para a Burnt Sugar the Arkestra Chamber.

O trabalho que me fora requisitado consistia em várias operações. As guitarras foram cedidas pelo André Indiana à equipa de produção e seria necessário adaptá-las para os guitarristas Greg Tate e André Lassalle, dar a assistência necessária durante o concerto e, por fim, recalibrar os instrumentos para o André Indiana antes do concerto de apresentação do novo álbum X-Glamour, em Londres.

Tínhamos então 4 Fender Stratocaster calibradas para encordoamentos .011″-.049″, com acção superior a 3 milímetros na corda Mi aguda, no 12º trasto. Após uma pesquisa rápida pelos guitarristas em questão, concluí que este setup estaria fora de questão. Entrei então em contacto com os guitarristas e, depois de uma conversa bem disposta, ficou apurado que os calibres de cordas a utilizar estariam entre um pouco ortodoxo .008″-.038″ e um .010-.046″. A acção pretendia-se tão baixa sem trastejar significativo e a resposta do trémolo tão amanteigada quanto possível.

Encontrámos alguns problemas nas guitarras no André. Alguns parafusos fulcrais moídos, pestanas com espaçamento entre cordas nada uniforme, e com uma acção irregular também ao nível da pestana. Nada de novo, no entanto.

Com tudo pronto, montámos o estaminé no lado esquerdo do palco. Tudo correu como esperado e o atelier recebeu comentários muito positivos que me deixaram profundamente satisfeito.

Obrigada Celso. O teu trabalho foi excelente, os músicos ficaram super-contentes! Até uma próxima!
Paula Oliveira (Assistente de produção SEF2010)

Obrigado pela tua compreensão e, sobretudo pela tua (elogiadíssima) colaboração no SEF2010.
José Orlando (Produção SEF2010)

Celso, the fact that you took the time to check my playing before hand blew me away and tells me how committed you are to your craft. You are a great guitar tech and a gentleman. Thanks for lending me a wonderful guitar to practice on in Oporto. We will stay in touch!
André Lassalle (Burnt Sugar the Arkestra Chamber)

Obrigado ao Hugo Montenegro, Zé Orlando, Paula Oliveira, Gato, André Indiana e Burnt Sugar the Arkestra Chamber.

Afinas ou não afinas em Serralves?

serralves em festa

O Afinas ou Não Afinas? irá assegurar as guitar-needs da americana Burnt Sugar, the Arkestra Chamber, no próximo Domingo, dia 6 de Junho, a encerrar as 40 horas non-stop de Serralves em Festa.

A entrada é de borla e o espectáculo da Burnt Sugar conta com o inspirado nome James Brown’s Funky Divas Versus the Revolution of the Mind e, escusado será dizer, trata-se de uma homenagem directa a James Brown.

Play that funky music!

Esta banda americana de improvisação é uma das poucas que mescla as influências de funk, jazz, rock, reggae, soul, hip-hop, heavy metal e música clássica do século XX e todas as formas de expressão musical vocal e instrumental. O grupo foi formado em 1999 e mais de 40 músicos já passaram pela sua formação, que apesar de ser fluida se baseia sempre num núcleo de 12 músicos.
Algumas das suas influências mais marcantes incluem, por exemplo, Billie Holiday, Brian Eno, Duke Ellington, Jean-Michel Basquiat, Jimi Hendrix, Miles Davis, Morton Feldman, Nina Simone, Steve Reich, Sun Ra, Vladislav Delay e o método peculiar de condução musical desenvolvido por Butch Morris, baseado em gestos, contacto visual e movimento. A originalidade e energia contagiante são dois ingredientes habituais nas performances deste projecto, assistindo-se à mistura de universos históricos, por vezes longínquos, com outras tendências artísticas contemporâneas.

“Making Love to the Dark Ages” (2009) constitui o seu mais recente álbum e comemora o décimo aniversário de Burnt Sugar The Arkestra Chamber. Este ano, estrearam a sua colaboração na adaptação musical de “Sweet Sweetback’s Baadasssss Song (the Hood Opera)” baseada no filme do pioneiro do cinema negro norte-americano Melvin Van Peebles. Em Maio, apresentaram o espectáculo “Freaks The James Brown Songbook” no lendário Apollo Theatre de Nova Iorque, um espectáculo de homenagem ao padrinho da música soul, James Brown, e que estará na base do concerto apresentado no Serralves em Festa – um mash-up dos álbums de James Brown “Live At The Apollo Volume 2”, “Revolution of the Mind” e “Funky Divas”. No palco do Prado de Serralves estarão cerca de 12 músicos desta “arkestra”, incluindo o próprio Greg Tate. Escutar-se-ão, entre outros instrumentos, saxofones, guitarras, sintetizadores, harmónicas, trompetes, violinos, violoncelos, percussão e vozes cheias de entusiasmo para ajudarem ao encerramento de mais uma edição do Serralves em Festa.

Formação da banda no “Serralves em Festa”:
Greg Tate – direcção/guitarra
Karma Mayet Johnson – vox
Mikel Banks – voz – harmonica – ‘freak-a-phone’ (Jay Z, Roughstars, Marque Gilmore)
Mazz Swift – vox/violino (Brazz Tree, Suphala, Yohimbe Brothers (Vernon Reid & DJ Logic))
Lewis “Flip” Barnes Jr. – trumpete (William Parker Quintet, the Holmes Brothers)
Avram Fefer – saxofone tenor (Bobby Few, David Murray Big Band, Joseph Bowie Big Band)
Dave Smith – trombone (Gordon Gano, Chin Chin, Reverend Vince Anderson, Red Baraat, Fela on Broadway)
Paula Henderson – saxofone barítono (Gordon Gano, Gogol Bordello, TV on the Radio, Reverend Vince Anderson, Baja & the Dryed Eye Crew)
Andre Lassalle – guitarra (Sophia Ramos, Vernon Reid)
Bruce Mack – teclados (Jorge Sylvester, Dean Bowman, Vernon Reid)
Jared Michael Nickerson – baixo eléctrico (Wadada Leo Smith, The The, Freedy Johnston, Yohimbe Brothers, Charlie Musselwhite)
Chris Eddleton – bateria (Liz Wright, Marta Toperova, Claudio Roditi, Saul Williams, Cyro Baptistas’ Beat)

http://burntsugarindex.com

Domingo
Hora: Das 23:00 às 24:00
Local: Prado

in Serralves em Festa